Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sites-Instituições

por Grupo4, em 11.03.10

(onde se poderão saber todas as novidades acerca das instituições aqui apresentadas)

 

 

* Raríssimas:

www.rarissimas.pt

 

 


* Diferenças:

http://www.diferencas.net/

 

 

 

* Aspori:

http://aspori.blogspot.com/

 

 

 

* APS down:

http://www.apsdown.com.br/

 

 

 

* Ser Down:

http://www.serdown.org.br

 

 


* APSXF:

http://www.apsxf.org/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02

Conclusão

por Grupo4, em 10.03.10

Desde mutações nos humanos, até mutações nos animais; desde síndrome de Down, até homem-árvore; desde albinismo até gunnig black; desde o início até ao final de todo este trabalho, as etapas percorridas, os obstáculos ultrapassados, as metas atingidas foram imensas. E neste momento o único desejo que fica é que quem venha, mais tarde a ler este livro consiga pelo menos espreitar pela janela do ‘Mundo das Alterações Genéticas’.

Que toda a informação aqui dada, todos os depoimentos apresentados, que todas as conclusões tiradas possibilitem o esquecimento de todos os mitos ligados a algumas mutações, e, por outro lado permitam que as pessoas ‘abram a sua mente’ e percebam que diferentes todos somos. Alterações genéticas podem ser muito limitantes, mas com certeza não mais limitantes do que o preconceito.

Assim, é também neste momento que existe uma resposta final a ser apresentada: Serão então as Alterações genéticas uma sentença de morte? Bem, a resposta a esta pergunta tornou-se mais complexa do que se possa imaginar. Durante toda a etapa de pesquisa podemos tomar conhecimento de casos de sucesso, e de outros que não tiveram um final assim tão feliz. De facto, existem mutações, como a síndrome de Edwards ou a síndrome de Patau, que tornam a sobrevivência dos indivíduos afectados quase impossível. Mas mesmo no caso destas anomalias mais limitantes da vida, existem casos de sucesso e isso permite-nos apenas tirar uma conclusão: a sentença de morte só nos é ditada quando já estamos mortos. O que se quer dizer com isto é que a morte vai ser o final de todas as pessoas, geneticamente alteradas ou não, assim, enquanto estivermos vivos é necessário sempre acreditar e lutar para assim continuar. Fortes exemplos disto são, de facto, pais e mães de pessoas com mutações, que lutam todos os dias pelo seus filhos, sem pensar na possibilidade da sua morte, apenas a pensar em formas de prolongar a sua vida.

Deste modo, mutações não são sentenças de morte, são apenas um mundo em que existem casos de sucesso e casos de insucessos, como acontece em todos os mundos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26

Pág. 3/3



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Pesquisar

  Pesquisar no Blog